Massa

Massa

apple TV Filme
Veja agora
9.5

Surpreendente

No rescaldo de uma tragédia violenta que afeta a vida de dois casais de maneiras diferentes, eles devem sentar e ouvir um ao outro na soberba e digna missa do Oscar.

Dentro de uma série de TV, é uma regra tácita que os melhores episódios são quase sempre aqueles que são totalmente despojados, deixando apenas os personagens trancados em uma sala com nada além do ofício do diálogo e da performance que o obrigam a assistir.

Esses episódios são raros, frequentemente isolados e, crucialmente, curtos; talvez uma comédia de 20 minutos ou o meio de um drama de 40 minutos. Massa, com impressionantes 111 minutos e escrito e dirigido por Frank Kranz (em seu primeiro crédito de roteiro e direção), coloca quatro atores juntos em uma sala e atiça as faíscas até que elas acendam.

Considerando como o roteiro se desenrola com precisão magistral e gradual, é impossível entrar em detalhes reais sobre o enredo.


Simplificando, dois casais chegam à sala comunal de uma pequena igreja para ter uma discussão muito negociada, após uma tragédia que os afetou profundamente.

Existem, por design, alguns suportes de livros lentos para configurar e esfriar em ambos os lados da reunião, a fim de definir a cena. Afinal, tensões como essa precisam ser ajustadas com cuidado, para que não se desfaça.

Em um mundo onde o trabalho cinematográfico é, em sua maioria, entregar cenas e esperar que o editor mantenha a essência de sua entrega, o roteiro de Massa deve ter parecido uma luz vinda de cima irradiando para as mãos de seu elenco.

Todos os atores afundam os dentes no material e aproveitam a chance de criar uma presença que se constrói através de uma jornada definitiva de emoções.

Cada personagem claramente chega ao problema com sua própria bagagem matizada. Como tal, é injusto separar qualquer desempenho para elogios específicos porque, à medida que o diálogo acelera e ressentimentos borbulhantes, cada ator reage em um empurra-e-puxa sublime com os outros na sala.

Pode-se imaginar a alegria com que Jason Issacs, Martha Plimpton, Ann Dowd e Reed Birney aproveitaram uma oportunidade tão rara.

Vale a pena assistir a Missa?

Deixando de lado os atores todos atirando no topo de seu jogo, é uma prova da escrita de Kranz que eles têm um poço tão profundo de opções para tirar.

Cada personagem tem nuances e camadas, de modo que, mesmo após os primeiros 40 minutos, quando você acha que conseguiu acertar seus principais drivers, outras linhas de diálogo o guiam como uma mão segura através de seus processos mentais.

Kranz também sabe realmente onde colocar a câmera e quando. As tomadas iniciais mostram pessoas que ficam de pé sem jeito, sem saber como começar em um assunto doloroso.

À medida que o tempo avança, ele aproxima as lentes de seus atores, para que cada pensamento possa ser visto enquanto ondula em seus rostos.

Às vezes, a tensão pode ser quase demais. Apenas uma vez, quando os ânimos se exaltam e a tristeza é expressada com amargura, Kranz se afasta da sala para mostrar um motivo recorrente de uma fita externa amarrada a uma cerca, soprando pacificamente em silêncio.

Tem havido muitos rumores de prêmios por aí Massa embora mesmo com uma qualidade tão alta, o filme esteja lutando para sair de lançamentos mais importantes.

Se fosse esquecido, seria uma grande vergonha, porque, se nada mais, a exposição extra concedida por vitórias de alto perfil atrairia mais audiência que, de outra forma, poderia ter perdido.

Em um mundo cada vez mais fragmentado, Massa mostra que existem caminhos simples: sentar e conversar.

Você pode discordar fundamentalmente e pode sair daquela sala sem uma resolução final, mas somente conversando com a pessoa do outro lado da mesa você pode chegar a um entendimento.

Palavras de Mike Record

Bom

  • Roteiro Estelar
  • Elenco Estelar
  • Direção Estelar

Mau

  • Assunto Difícil
9.5

Surpreendente

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar tese HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>